O que fazer diante de um trauma no dente?

Afeta as diferentes idades da infância e da adolescência, de acordo com os motivos que o produzem. Na idade pré-escolar, por exemplo, acontece por quedas e acidentes. Em crianças mais velhas, que já são mais úteis, geralmente são secundários a acidentes esportivos, quedas de bicicleta e acidentes fortuitos com outros colegas ou amigos. Se falamos de adolescentes, as razões costumam ser brigas, acidentes desportivos, de moto ou de carro.
Quando houver um problema em um dente e este se mova, ou mude de posição, que se insira dentro da gengiva, que se quebre ou seja tal o golpe que faça com que caia, devemos levá-lo à consulta do dentista, que deve ser avaliado o dano sofrido e o possível tratamento para evitar maiores danos.
O que devemos fazer diante de um trauma dental?
O objetivo principal do tratamento dos traumatismos dos dentes temporários (de leite) é a prevenção do dano potencial nos dentes permanentes, assim, um controle para o dentista, posteriormente ao golpe, é fundamental para evitar problemas na erupção ou desenvolvimento do dente permanente ou definitivo.
No caso de que o trauma seja em um dente permanente e este cair é aconselhável colocá-lo em algum recipiente com leite ou um dos pais, coloque o dente debaixo da sua língua e dirigir-se imediatamente ao dentista por se pudesse reimplantarlo. Além disso, há que ter em conta que, após um golpe possa parecer à primeira vista que o dente não sofreu danos, mas pode mesmo ser quebrado. Nesse caso, é o dentista que você deve avaliar o dano e agir para evitar a perda da peça dentária.
Se o dente permanente é completamente deslocado do alvéolo (site que ocupa o dente no osso) o reimplante terá mais chances de sucesso se for feita nos primeiros 30 minutos após a queda. Mas é o dentista quem faça essa série de casos em que as condições ótimas para que o dente não se perca.
E se a criança leva ortodontia?
Há que dizer também que, quando o acidente tiver sido provocado um menino que leve ortodontia podem soltar-se, com o golpe, os fios que estão unidos os “brackets”, ou até mesmo descementarse os brackets. Isso deve ser examinado por um dentista o mais rápido possível para aliviar o desconforto e evitar possíveis lesões na gengiva com o fio solto.
Em resumo, é muito importante ter em conta que, diante de um trauma em um dente, as chances de perder serão maiores quanto mais tarde se vá ao dentista.

Qual é a diferença entre um seguro de reembolso e de um quadro médico

O seguro de caixa médico
Começamos com este que é mais fácil de entender e que é, provavelmente, o tipo de seguro que qualquer pessoa teria em mente, sem saber nada de seguros e, bem depois, vendo as diferenças, passamos a comentar o reembolso.
O seguro de saúde de caixa médico é aquele em que a pessoa que o contrata dispõe de todos os profissionais da empresa, ou seja, você pode visitar todos os professores e especialistas da empresa, sem custo adicional, bem como consultar online ou por telefone o retrato do que tem com a empresa.
De igual modo, o segurado poderá recorrer a qualquer centro de a seguradora de qualquer cidade de Portugal, pois com um seguro de caixa médico tem direito a tudo isso.
O seguro de reembolso
Um seguro de reembolso funciona diferente. Este tipo de seguros prioriza a assistência do segurado a médicos, especialistas e centros que você deseja, embora não façam parte do quadro médico da companhia. Estes seguros da área também não é importante, podendo recorrer-se a profissionais de todo o país e até do estrangeiro.
Neste caso, o segurado paga a visita, os tratamentos a que é submetido e depois a seguradora reembolsa uma parte do que foi pago, ou tudo bem, conforme o tipo de apólice, que tenha sido contratado ou o tipo de serviço do que tenha feito uso da pessoa.
Este tipo de seguro, além disso, dá acesso a todo o quadro médico da empresa de uma forma livre, sem ter que pagar nada previamente.
Outra possível diferença com um seguro de caixa médico é a quantidade de visitas que você pode ter a pessoa com os profissionais da seguradora. Nos seguros de caixa médico costumam ser bastante flexíveis em referência à frequentação (os clientes podem ir ao médico, normalmente, tantas vezes como o considerem necessário), enquanto que no caso do reembolso não o são: a devolução de 100% pode ser feita apenas no caso de não ultrapassar um número máximo de visitantes, a partir das quais o reembolso será menor (talvez 80% ou 90%). Mas isso é muito variável segundo as empresas e os contratos e faz parte dos detalhes de um contrato que você tem que avaliar para saber que seguro convém mais.
Digamos que, em suma, o seguro de caixa médico é um seguro mais geral e o seguro de reembolso está mais voltado para aquelas pessoas que querem ir para profissionais específicos, porque eles conhecem ou porque ouviram falar bem deles e querem escolher como primeira opção.
Quanto ao custo do seguro, há que ter em conta que a prima das apólices de seguro de reembolso é maior do que no caso das de caixa médico.

Como cuidar da nutrição de idosos

O impacto da idade na nutrição
Em primeiro lugar, dizer que conforme avança a idade, ocorre um aumento de gordura corporal e a uma perda de musculatura em nosso organismo, além de alterações no tubo digestivo, diminuindo a sua capacidade de absorção de vitaminas e oligoelementos.
Também há que ter em conta que as dificuldades na alimentação das pessoas idosas podem ser devidas a alterações da dentição, a perda da capacidade para sentir e saborear os alimentos, problemas de deglutição ou a um enlentecimiento do esvaziamento gástrico.
Além disso, mastigar os alimentos de maneira adequada é fundamental para poder seguir uma dieta saudável, por isso é necessário o cuidado com a dentição, aconsejándose comer alimentos de fácil mastigação. Se vão perdendo peças dentais, geralmente devidas a doenças periodontais e da falta de cálcio e vitamina D. Tudo isso faz com que se tente evitar alimentos de difícil mastigação como frutas e produtos hortícolas, o que leva a um menor consumo de fibra e, portanto, problemas de prisão de ventre. Por isso, recomenda-se a ingestão de fibra para evitar certas disfunções intestinais, como a diverticulose do cólon, ter uma melhor tolerância à glicose e diminuir os níveis de colesterol.
Também cabe citar a perda da capacidade gustativa, fundamentalmente a nível das papilas gustativas da língua, encarregadas de detectar o sabor doce e salgado, o que faz com que diminua o prazer na hora de comer e o interesse pelos alimentos
Os ossos também sofrem um desgaste progressivo com o passar dos anos, o que leva a um maior risco de osteoporose e fraturas. Por isso há que ter cuidado com a ingestão de cálcio com uma dieta rica em laticínios e, se necessário, complementar a dieta com suplementos. Tudo isso, acompanhado de exercício físico adequado à sua idade.
Por último, dizer que o consumo de medicamentos, tão frequente nesta idade, pode afetar a alimentação de diversas formas. Por exemplo, induzindo a perda ou o estímulo do apetite ou agindo sobre a ingestão através da alteração do gosto, provocando náuseas ou vômitos, causa lesões da superfície de absorção intestinal.
Recomendações nutricionais
Deve-Se tentar que as pessoas mais velhas, que possam, cozinhar sua comida e comam com a companhia, já que isto está demonstrado que os ajuda a manter não só um melhor estado nutricional, mas também influi no seu estado de ânimo.
Não se deve negligenciar uma boa hidratação nas pessoas da terceira idade, principalmente no verão, quando muitas vezes não se lembram de beber água. Não há que esquecer que com a idade nos tornamos mais suscetíveis aos danos que podem causar em nosso corpo às temperaturas elevadas. Por tudo isso é de suma importância seguir hábitos de vida saudáveis, que incluem, é claro, os alimentares, consumindo dietas equilibradas, com uma grande variedade de alimentos.
É muito recomendável que os idosos, o consumo de frutas e vegetais, sem ingerir excessos de proteínas e use o seu peixe como fonte de omega 3, como indutor da resposta defensiva.
O cérebro, para um correto funcionamento, requer não apenas de um aporte suficiente de glicose, mas também de certas vitaminas, especificamente do complexo B, para que o seu défice pode dar lugar a deterioração neurológicos progressivos. Esta é outra das causas, pelo que se recomenda uma dieta saudável e completa.
É muito recomendável realizar atividade física de forma moderada diariamente. Há que esquecer a ideia de que a idade é uma contra-indicação para a prática de exercício físico. A chave está em fazer o mais adequado em relação à idade. Também não há que fazer grandes proezas desportivas, basta desde um simples passeio diário para a prática de alguns esportes como a natação, caminhadas, andar de bicicleta ou a ginástica, todas elas realizadas de forma não competitiva. Não há que esquecer que algumas atividades sociais podem substituir as atividades esportivas, a exemplo do que temos com a dança.

Dicas de saúde para todos

Estamos comprometidos com o cuidado da saúde para todas as fases da vida. Para isso temos dois blogs, a partir dos quais você pode consultar o que fazer quando você tem algum problema relacionado com a saúde. Conteúdos sobre diabetes, gravidez, cardiologia, vida sexual, saúde dental, terceira idade, estética… são alguns exemplos do que você pode consultar para resolver suas dúvidas.
Também nos concentramos na prevenção da saúde, com dicas que te ajudam a ter uma vida mais saudável. Por isso oferecemos conteúdo sobre o esporte, dietas, hábitos de vida saudáveis, e em resumo, é um estilo de vida que permita uma vida mais longa, saudável e feliz.
Veja todas as nossas dicas
Muito saudável
Biblioteca de saúde

Por que o prémio do seu seguro aumenta todos os anos

Ou seja, é a conclusão que se extrai da companhia depois de analisar a situação da pessoa que quer contratar um seguro de saúde.
Hoje vamos dar uma volta de rosca mais a este assunto, porque quando a pessoa contrata um seguro, o preço pode ir variando. O que? Você Variando? Não é sempre o mesmo? São perguntas que há muita gente, porque acredita que o preço que paga de início é o que paga sempre. No entanto, não é bem assim, o preço pode variar porque, de ano em ano as circunstâncias de uma pessoa mudam, ou da sociedade, ou do coletivo em que trabalha, ou… vamos ver, pois, que o prémio do seu seguro aumenta todos os anos.
Quanto tempo se mantêm as condições contratadas?
Quando se contrata um seguro, as condições acordadas são mantidas durante o tempo estabelecido em contrato. Há acordos por 12 meses a partir do momento em que se contrata e outros, que terminam no dia 31 de dezembro. Ou seja, você pode contratar um seguro em outubro, por exemplo, e o 31 de dezembro, quando acaba o ano civil, ocorrer um aumento do prémio.
Isso, claro, não funciona bem em casos em que existe uma oferta ou se foi negociado um desconto por um período específico de tempo. Seria algo assim como as promoções que dizem “durante os primeiros 6 meses você terá uma taxa de X euros”. Nestes casos, mesmo que o ano mude, a prima continua igual. Isso sim, ao terminar esses 6 meses sim, pode ocorrer uma mudança com relação às condições que se tinham fixado previamente se, como dissemos, estamos no ano seguinte (ou não, se as condições foram negociadas previamente com a seguradora).
Porque é que sobe a prima de ano em ano?
Se vos haveis reparado na entrada que mencionei no início, o que explica como se calcula o prémio de um seguro, tereis visto que o cálculo depende de muitos fatores e que é bastante complexo de controlar. Pois bem, a cada 12 meses, ou a cada 31 de dezembro, as empresas fazem um novo cálculo, por se ter mudado a situação vital da pessoa, ou se mudou o mercado.
Voltam a ter em conta todos os fatores que discutimos, como são a idade (muitas empresas funcionam por trechos de idade e é possível que um cliente passe de um trecho para outro), as patologias (não é o mesmo estar completamente saudável na hora de contratar o seguro que contrair uma doença importante no ano seguinte), a morbidade de um grupo determinado (se falamos de um seguro de grupo e verifica-se que esse coletivo tem mais risco de acidentes), etc., e adicionados mais variáveis, como o IPC, o preço dos serviços médicos e, em suma, todos os fatores que o departamento atuarial estuda de novo no banco ao risco e o custo para estabelecer a nova prima.
Em poucas palavras, é como se a cada 12 meses o contrato se deu por finiquitado e volvieras a contratação de um seguro com a empresa por 12 meses.
Quanto você pode escalar a prima?
Oxalá que se pudesse dar resposta a esta pergunta, mas é materialmente impossível. Se nada mudasse, a prima se manteve exatamente o mesmo, ou teria alguma parte por causa do IPC e no caso de que os serviços médicos aumentam também o custo. Mas como isso (de que nada muda) não acontece sempre com todos os usuários é impossível determinar qual será a subida, que se efetuará 12 meses após a assinatura inicial. Vamos lá, que não estão pré-definidas. Nenhuma empresa vai dizer “durante 12 meses, paga tanto e a partir de então, terá que pagar outro tanto”.
Mas, como alertam dessa subida?
Claro, ou pelo menos deveriam. Vá graça se não, que encontrares com um preço em conta, por um montante que não esperava, não faz graça para ninguém, e quando alguém contrata um seguro de saúde, porque confia nos serviços que lhe vão oferecer e a última coisa que quer é começar a sentir desconfiança.
Cada empresa pode fazê-lo um pouco à sua maneira, mas o normal é que com uma antecedência mínima de dois meses de enviar ao cliente uma carta em que se lhe apresente um relatório com total clareza de quais serão as novas condições do seguro e, portanto, em que se inclua o preço do bônus que passará a pagar. Nesse momento, a pessoa que recebe a carta, você pode optar por não fazer nada, e em tal caso a companhia entende que está de acordo e o contrato será prorrogado automaticamente doze meses, ou manifestar o seu desacordo com o aumento e optar por rescindir o contrato e retirar-se da companhia.
Para este passo, para saber o que há que fazer para cancelar a subscrição de um seguro de saúde, você pode ler a entrada em que nós conversamos sobre isso: Como cancelar a subscrição de um seguro de saúde.
Imagem | Pixabay

Como escolher uma residência de idosos

Passos prévios
O primeiro passo e mais importante é visitar as residências que nos agradem todas as vezes que forem necessárias e formular todas as perguntas que se nos apresentem, tanto para os médicos e prestadores de cuidados de saúde que atendem os moradores, como os vizinhos dos centros, aos familiares dos residentes e para os próprios moradores.
É importante saber que médicos na residência, com que a equipe médica conta e se estará coberto durante as 24 horas do dia. A administração de medicamentos deve ser realizada por uma enfermeira/o e não um auxiliar ou gerocultor. Há que ter em conta que nem todas as residências têm os serviços e pessoal necessários para atender a pessoas com demências, idosos em cadeiras de rodas ou com grande dependência. A residência tem alguma certificação oficial de qualidade do tipo ISO? Você tem planos de emergência?
Uma vez escolhido um centro, o passo seguinte consiste em examinar com atenção o contrato, com ênfase em todas as cláusulas. Também deve ficar claramente o custo da praça por todos os serviços que serão usados, bem como especificar as deduções do custo no conceito de alimentação, quando o residente deve ficar fora por hospitalização ou férias. Costumam oferecer serviços não incluídos no custo da praça, como podologia, cabeleireiro, excursões para fora do centro, etc.
E, finalmente, deve-se também solicitar uma cópia do regulamento de regime interno, pois é obrigatório que todas as residências tenham por escrito, as normas.

Ingresso na residência
Em função do tipo de centro que tenhamos selecionado teremos acesso imediato ou não ao mesmo. Segundo um estudo da OCU, em residências particulares apenas 20% dos candidatos tiveram que entrar em uma lista de espera, em frente ao 75%, o que teve que esperar uma praça pública (16% dos casos, a espera foi de mais de 2 anos). No caso de uma praça concertada, 40% teve que se inscrever em uma lista de espera.
Em Espanha, existem 2.000 lares da terceira idade, divididas globalmente “com” e “sem” fins lucrativos. Das primeiras, cerca de 1.100, estão federadas (pertencem à Federação Nacional), e as segundas a um grupo pertence a ordens religiosas e outro para ONGs.
Como foi dito anteriormente, o ingresso em residência pode ser progressivo (em centros de dia) ou temporário, a fim de que nos habituemos à nova situação e para que possamos também testar todas as condições do centro. Algumas destas condições devem ser:
As condições de limpeza e salubridade devem ser as adequadas.
Facilita as visitas aos moradores.
Os moradores manifestam interesse pela entrada de um novo residente.
A maioria dos moradores parecem estar interagindo, e há poucas pessoas isoladas.
O pessoal tem um trato correto com os moradores. Como são chamados por seus nomes próprios?
Os moradores têm um acesso quase contínuo ao pessoal.
Os familiares recebem relatórios detalhados de saúde física e emocional do residente.
Se respeita a privacidade dos moradores.
Responde adequadamente às dietas especiais.
Liberdade na hora de sair para o exterior, com o residente e poder ir comer ao domicílio e/ou eventos familiares.
São realizadas atividades de exercício físico regularmente.

Sorri com a boca toda: benefícios emocionais dos implantes

A partir de um ponto de vista odontológico, os implantes dentários são o único tratamento que, além de manter a aparência, substitui toda a funcionalidade de um dente natural. E a longo prazo: calcula-se que mais de 90% dos implantes mantêm a sua funcionalidade 15 anos depois de ter sido colocados.
Mas, além dos aspectos puramente clínicos, os implantes dentários apresentam uma série de benefícios psicológicos e emocionais, que não podem ser entendidas sem entender primeiro o que passa uma pessoa que perdeu um dente.
O machadada da perda de um dente
Em uma cultura que rende culto à aparência, a rejeição social que produz uma pessoa a quem falta-lhe algum dente pode chegar a ser um verdadeiro estigma, interiorizado pelo próprio paciente. Além de muito pouco atraente, um sorriso sem algum dente é vista como um sinal de pobre higiene, má saúde e o fracasso social.
Para quem perdeu um dente, atividades prazerosas para todos, como conversar, sorrir e rir, corados de vergonha e desconforto. “Como estarão vendo a minha boca agora? O que pensarão de mim?”, enquanto tentam a oportunidade de tapar a boca. Além de um dente, também perderam a auto-estima e confiança em si mesmos.

Quais soluções?
Há várias soluções odontológicas para ajudar as pessoas com este problema, mas nem todas são tão boas. As próteses removíveis (as comumente chamadas de “dentadura”) e as pontes dentárias têm a aparência de um dente natural, mas podem ter sérios problemas de ajustamento.
Muitos pacientes com estes tratamentos continuam a viver com a ansiedade de que seus dentes se lhes mova ou cair na frente de outros. Além disso, a sensação na boca quando comem, riem ou praticam esporte, não é nada a mesma: não podem esquecer-se de que levam uma prótese, o que continua a ser afetado a sua confiança e sua auto-estima.
A aparência e a sensação de dentes naturais
Ao contrário das próteses removíveis, como as dentaduras postiças, os implantes dentários estão firmemente encaixados no osso, e permitem ao paciente seguir com a sua vida como se eu tivesse um dente com raízes naturais.
Os implantes dentários não deslizam ou giram como as dentaduras, podendo falar e comer com total normalidade. Uma vez que se tenham colocado, você vai esquecer que o está a usar. Quando você sorri ou ri, já não terá que taparte a boca.
Volte a comer o mundo com os implantes!
Ter um sorriso completa e saudável altera a forma como nos vemos a nós mesmos e nos relacionamos com os outros, dando-nos confiança e segurança em nós mesmos. Uma personalidade segura está relacionada com maiores possibilidades de sucesso profissional, social e familiar. Como são mais felizes as pessoas que têm realizado um implante?
Depois de um estudo pioneiro realizado na Universidade de Washington, em 1990, várias pesquisas em todo o mundo mostraram que os pacientes que tinham perdido um dente se sentiam mais felizes e seguros depois de ter sido realizado um implante, e que melhoraram significativamente a sua capacidade para a atração e persuasão.
Com um implante dental pode relaxar e apreciar a vida sem medo, tanto das reuniões sociais, como a intimidade com as pessoas especiais de sua vida. E, como muitos pacientes podem dizer, não se paga com nada.

Conhecendo os seguros: quais são as exclusões e as carências?

Os seguros de saúde, como outros seguros, funcionam com base em diferentes condições que fazem variar o contrato do segurado. São muitos os termos que podem parecer um pouco estranhos para aqueles que querem contratar um seguro e não estão familiarizados com eles, por isso hoje vamos explicar dois deles: o que são as exclusões e quais são as carências.
Quais são as exclusões
Na hora de contratar um seguro de saúde, há que ter em conta as exclusões, que são aquelas doenças, eventos ou tratamentos que a seguradora não vai cobrir apesar de contratar os seus serviços. É uma parte que você tem que conhecer bem para depois não ser surpresas inesperadas.
Em princípio, a lei obriga as seguradoras a dar conhecimento aos segurados essas limitações das apólices e deve ficar ciente de que foram explicados ou que o interessado tiver lido e aceito.
Estas limitações podem ser algumas doenças, por exemplo. Pode acontecer que pretende fazer um seguro e que é a hora de fazê-lo, a seguradora avaliar as doenças que sofre e que opte por não assegurar alguma delas. É muito importante, neste sentido, comunicar todo o nosso histórico médico, para que a seguradora faça o estudo correspondente e nos comunique a sua oferta: quanto vai custar, quais serão as coberturas, que doenças cobre e quais não, etc.
Como vai querer exemplos, para mostrar-vos uma ideia, tendem a excluir-se das apólices, o alcoolismo, a toxicodependência, toxicodependência, doenças como o HIV, tratamentos e testes psicológicos, tentativa de suicídio ou de autolesión e os danos que a pessoa sofra em ações criminosas, epidemias, radiação nuclear, terrorismo, cataclismo, as guerras, todas as coberturas que não estejam expressamente incluídas na condicionado geral, a interrupção voluntária da gravidez e intervenções com carácter puramente estético ou cosmético.
Outras possíveis exclusões são as decorrentes de praticar esportes de risco ou largadas de touros e a assistência na sequência de um acidente de trabalho, doença profissional e acidente de carro.
Quais são as carências?
As carências são o tempo que tem que passar a partir da assinatura do contrato até que uma pessoa pode utilizar alguns serviços. As seguradoras estabelecem essas carências, para evitar que uma pessoa contrate um seguro para fazer um tratamento em seguida, quando você pode ser um tratamento dispendioso e de grande envergadura, dirigido a uma pessoa que apenas possa levar segurado um ou dois meses, por exemplo. Dito de outro modo, não se pode contratar um seguro e, no dia seguinte, solicitar um tratamento importante, uma operação ou que atenderem em um parto.
Não é que lhe negue, é que o atrasam para quando o segurado leve um tempo com a empresa e cujos tratamentos possam ser solicitados pelos próprios profissionais e especialistas. Além disso, o fazem para evitar que alguém se dê alta para cobrir uma necessidade urgente e que, uma vez resolvida, solicite a baixa.
Alguns exemplos de carência nos seguros de saúde são (dependem de cada seguradora, claro):
Intervenção cirúrgica que necessite de internação hospitalar: entre 6 e 10 meses.
Intervenção cirúrgica que não exija internação hospitalar: entre 3 e 6 meses.
Testes diagnósticos com alta tecnologia: cerca de 3 meses.
Serviços de planejamento familiar: cerca de 6 meses.
Tratamentos especiais: entre 3 e 10 meses, conforme o tratamento.
Reabilitação: cerca de 6 meses.
Gravidez, parto e pós-parto: entre 6 e 10 meses.
Transplantes: 12 meses.
Reprodução assistida: 2 anos.
Claro, são apenas alguns exemplos, pois há mais situações que podem incidir as carências quando se contrata um seguro de saúde. E o tempo, como dissemos, é uma aproximação.
É muito importante que, de igual modo, que nos explicam que são as exclusões e quais são, diga-nos também quais são as coberturas que são afetadas por um período de carência e informe-nos de quanto é o tempo que devemos esperar para poder fazer uso desses serviços.

Bemvindo ao Muito Saudável

Como um bom estado de saúde não é algo, na verdade, de um único dia, mas a consequência de uma soma de boas práticas a nível nutricional, a nível mental e a nível corporal, vos damos boas-vindas a Muito Saudável, um blog com o que trataremos de ser um novo ponto de referência da saúde na rede em que você vai encontrar todo o tipo de entradas relacionadas com o comentado.
‘Vida saudável’, ‘Ficar bem’ e ‘Inovação’
Para que você possa desfrutar dos conteúdos com base nos interesses de cada momento nosso trabalho será dividido em três categorias: Saúde, boa aparência e Inovação. O objetivo é oferecer novidades em termos de saúde, como novos tratamentos, diagnósticos, aplicações móveis que possam ajudá-lo a estar melhor, gadgets e curiosidades, além de dicas para uma vida saudável em vários sentidos e, por que não investir em nossa autoestima e nossa autoimagem através do cuidado de si mesmo.
Por isso, desde já, você pode ler o que levamos um tempo preparando-se para vós. Por colocar-se alguns exemplos, sabereis o que é que podemos fazer para retardar o desgaste de nossas articulações, você pode dar resposta a essas perguntas que nos fazemos todos: “Por que me dói a cabeça? Devo ir ao médico?”, sabem quais são as melhores posições para dormir de noite e ter uma boa noite de sono e se tomastes tempo pensando que você deve começar a fazer exercício você pode ler as primeiras diretrizes para começar com isso.
Mas isso não é tudo, porque temos falado da importância de ir com as crianças ao dentista (e de ir para os adultos também, obviamente) e sabereis quando é aconselhável fazer essa primeira visita com “o médico dos dentes”, e os ajudaremos a descobrir um novo método para detectar o mal de alzheimer de forma precoce.
Como você pode ver, são muitas as vontades de explicar as coisas interessantes e importantes a nível de saúde e muita ilusão por compartilhar espaço e tempo em prol de uma melhor saúde para todos. Espero que acompanheis no caminho com as mesmas vontades que você pode dizer a todos que estarão levando uma vida Muito Saudável. Bem-vindo!

Os animais de estimação como terapia na doença de Alzheimer

É por isso, por isso que o Centro de Referência Estadual de Atenção a Pessoas com Doença de Alzheimer investiga terapias que aglutinam robótica e o tratamento com cães para melhorar a qualidade de vida dos pacientes.
Este projeto busca a reação contra os animais dos pacientes e uma de suas novidades é a união de um robô (um boneco que simula uma foca) e um cão, como uma ferramenta viva, que aumenta o lucro destas terapias.
Em que consistem as terapias
Se podem levar a cabo as chamadas Atividades Assistidas por Animais, que consistem na realização de atividades de benefício motivacional, educacional ou recreativo, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas com as que se realizam este tipo de atividades. Mas também se podem realizar Terapias Assistidas com Animais, onde o objetivo é conseguir melhorias para o paciente no plano físico, social, emocional e cognitivo.
Por outro lado, a roboterapia é uma terapia onde não são utilizados medicamentos e que consiste no uso de robôs que imitam animais, dotados de inteligência artificial e vários sensores que lhes permite comportar-se e interagir com os usuários como se de um animal real se tratasse.
Benefícios para o mal de Alzheimer
O objetivo desses tratamentos é, pois, melhorar a qualidade de vida das pessoas com mal de Alzheimer, intervindo nesses quatro aspectos fundamentais. Os animais são, em muitos casos, uma boa “medicina” para os pacientes, melhorando o seu humor e a sua mobilidade.
Desta forma, a terapia com cães que se usa em algumas clínicas geriátricas ajuda os idosos a não se sentir tão sozinho, a se relacionar e, portanto, diminuir o risco de que sofra de um quadro depressivo, o que agravaria o problema de demência.
Ao tê-lo para passear, lhes serve para trabalhar aspectos como a psicomotricidade, a memória ou o equilíbrio. O simples fato de que o idoso tenha que lembrar o nome do animal, o horário que tem para comer ou tirá-lo de passeio, etc., ajuda a impedir a perda de memória que provoca esta doença degenerativa.
Em resumo, ter um animal em casa, como um cão ou um gato, ajuda as pessoas com mal de Alzheimer a manter algumas rotinas diárias, a estar mais relaxados e, portanto, a dormir um pouco melhor. Além disso, os obriga a fazer alguma atividade física e a se relacionar com o seu ambiente social. Por último, podem sentir-se mais queridas, pois os animais de estimação costumam ser companheiras fiéis, o que promove a sua auto-estima.