Conhecendo os seguros: quais são as exclusões e as carências?

Os seguros de saúde, como outros seguros, funcionam com base em diferentes condições que fazem variar o contrato do segurado. São muitos os termos que podem parecer um pouco estranhos para aqueles que querem contratar um seguro e não estão familiarizados com eles, por isso hoje vamos explicar dois deles: o que são as exclusões e quais são as carências.
Quais são as exclusões
Na hora de contratar um seguro de saúde, há que ter em conta as exclusões, que são aquelas doenças, eventos ou tratamentos que a seguradora não vai cobrir apesar de contratar os seus serviços. É uma parte que você tem que conhecer bem para depois não ser surpresas inesperadas.
Em princípio, a lei obriga as seguradoras a dar conhecimento aos segurados essas limitações das apólices e deve ficar ciente de que foram explicados ou que o interessado tiver lido e aceito.
Estas limitações podem ser algumas doenças, por exemplo. Pode acontecer que pretende fazer um seguro e que é a hora de fazê-lo, a seguradora avaliar as doenças que sofre e que opte por não assegurar alguma delas. É muito importante, neste sentido, comunicar todo o nosso histórico médico, para que a seguradora faça o estudo correspondente e nos comunique a sua oferta: quanto vai custar, quais serão as coberturas, que doenças cobre e quais não, etc.
Como vai querer exemplos, para mostrar-vos uma ideia, tendem a excluir-se das apólices, o alcoolismo, a toxicodependência, toxicodependência, doenças como o HIV, tratamentos e testes psicológicos, tentativa de suicídio ou de autolesión e os danos que a pessoa sofra em ações criminosas, epidemias, radiação nuclear, terrorismo, cataclismo, as guerras, todas as coberturas que não estejam expressamente incluídas na condicionado geral, a interrupção voluntária da gravidez e intervenções com carácter puramente estético ou cosmético.
Outras possíveis exclusões são as decorrentes de praticar esportes de risco ou largadas de touros e a assistência na sequência de um acidente de trabalho, doença profissional e acidente de carro.
Quais são as carências?
As carências são o tempo que tem que passar a partir da assinatura do contrato até que uma pessoa pode utilizar alguns serviços. As seguradoras estabelecem essas carências, para evitar que uma pessoa contrate um seguro para fazer um tratamento em seguida, quando você pode ser um tratamento dispendioso e de grande envergadura, dirigido a uma pessoa que apenas possa levar segurado um ou dois meses, por exemplo. Dito de outro modo, não se pode contratar um seguro e, no dia seguinte, solicitar um tratamento importante, uma operação ou que atenderem em um parto.
Não é que lhe negue, é que o atrasam para quando o segurado leve um tempo com a empresa e cujos tratamentos possam ser solicitados pelos próprios profissionais e especialistas. Além disso, o fazem para evitar que alguém se dê alta para cobrir uma necessidade urgente e que, uma vez resolvida, solicite a baixa.
Alguns exemplos de carência nos seguros de saúde são (dependem de cada seguradora, claro):
Intervenção cirúrgica que necessite de internação hospitalar: entre 6 e 10 meses.
Intervenção cirúrgica que não exija internação hospitalar: entre 3 e 6 meses.
Testes diagnósticos com alta tecnologia: cerca de 3 meses.
Serviços de planejamento familiar: cerca de 6 meses.
Tratamentos especiais: entre 3 e 10 meses, conforme o tratamento.
Reabilitação: cerca de 6 meses.
Gravidez, parto e pós-parto: entre 6 e 10 meses.
Transplantes: 12 meses.
Reprodução assistida: 2 anos.
Claro, são apenas alguns exemplos, pois há mais situações que podem incidir as carências quando se contrata um seguro de saúde. E o tempo, como dissemos, é uma aproximação.
É muito importante que, de igual modo, que nos explicam que são as exclusões e quais são, diga-nos também quais são as coberturas que são afetadas por um período de carência e informe-nos de quanto é o tempo que devemos esperar para poder fazer uso desses serviços.