Cuidar Bem ajudamoste a estar bem para cuidar melhor

A demência afeta tanto o paciente como a sua cuidador e familiares. A família participa da doença em seus diferentes estágios de evolução, um processo que predispõe a sofrer diversas alterações psicológicas, físicas e sociais, acima de tudo, a pessoa que assume o papel de “cuidador principal”. “Entre os efeitos colaterais mais comuns encontram-se o mal-estar geral, as alterações do sono, dores de cabeça, anemia, alterações nos ossos e músculos, stress, ansiedade, tristeza, sentimento de culpa ou o isolamento social”, explica o dr. David Curto, chefe de gestão assistencial de Sanitas Maiores.
Do ponto de vista emocional, “é normal que os prestadores de cuidados de saúde assolados e experimentarem sentimentos de tristeza, solidão ou culpa. O estresse emocional é compreensível. Por isso, apesar de que é aplicável a todas as esferas da vida, neste domínio, é ainda mais necessário promover e praticar uma atitude positiva, uma estratégia do otimismo que ajuda a enfrentar melhor todo o processo da doença e a dosar a energia”, explica o doutor José Ferrando, diretor Médico de Sanitas.
Para evitar estes efeitos, denominados, em menor ou maior grau, como “síndrome do cuidador”, as recomendações começam por “aceitar cada um como é e identificar os pontos fortes pessoais. Além disso, há que se ter cuidado com a alimentação, descansar, desconectar de vez em quando e evitar isolar-se”, acrescenta David Curto. Essas e outras dicas estão no portal “Cuidar Bem”, a única web centrada no cuidador, na sua saúde e em ajudá-lo a cuidar melhor, com o apoio dos melhores especialistas em Alzheimer e outras demências.

Mais informações em Cuidar bem