Testes de diagnóstico no seguro de saúde

Os seguros de saúde, obviamente, estão entre os seus serviços, com muitas provas de diagnóstico, precisamente para dar-lhe um melhor serviço aos seus clientes, e com o fim de poder iniciar-se antes com o tratamento necessário, se é que fosse necessário.
Muitas provas, mas não todos
Não é o mesmo que fazer uma análise do que fazer uma ressonância magnética, como não é o mesmo uma citologia que uma colonoscopia, e falo a nível económico, pois os recursos necessários, tanto materiais como pessoais são diferentes. Isso quer dizer que as companhias de seguros, ou melhor, dos seguros contratados, abrangem muitas testes de diagnóstico, mas não necessariamente todas.

Como isso pode gerar uma certa inquietação, o ideal é informar-se bem na hora de contratar um seguro de que provas estão incluídas e quais não, ou se necessitam ou não de autorização prévia.
As provas mais importantes e as mais comuns são cobertas em sua maioria. Os exames de sangue, por exemplo, dão muita informação sobre o estado de saúde de uma pessoa: o nível de glicose, colesterol, triglicerídeos, níveis hormonais, marcadores tumorais, fígado, e de um spa e assim por diante com que os profissionais médicos podem verificar se suas suspeitas são verdadeiras ou não.
As radiografias, após uma contusão ou golpe, as mamografias, como teste de detecção precoce do câncer de mama, as ecografias para “ver” o que acontece dentro do corpo, no instante ou um TAC são testes que a maioria dos seguros cobrem, sobretudo, o interesse primeiro de oferecer um serviço de qualidade aos seus clientes.
Algumas provas, sim, com autorização
E, em seguida, são aquelas que por ser muito caro, não fazem parte das coberturas de um seguro de saúde, ou só podem ser feitos mediante autorização da companhia de seguros. Neste caso, a pessoa interessada tem de falar com a empresa, normalmente por telefone, e, assim, receber a autorização (ou não) da mesma.
A companhia estuda o caso de maneira individual (o caso e a apólice do cliente) e responde ao cliente aceitar ou não a programação de teste.
Provas que não estão disponíveis por estar em período de carência
Outra situação que pode ocorrer em relação a testes de diagnóstico é que algumas delas estejam em situação de carência. Uma falta, como explicamos no post “Conhecendo os seguros: quais são as exclusões e as carências?”, é o tempo que deve decorrer, desde o alto até que você pode usar um serviço para evitar que se faça um uso abusivo de uma apólice: que alguém se dê de alta de um seguro para se submeter a qualquer teste o mais breve possível e que, uma vez feita, se dê baixa.
Essas provas não negam, pois, na verdade, fazem parte das coberturas. O que acontece é que só podem ser realizadas quando a pessoa leva um tempo para a companhia.