Você sabia que comer peixe ajuda a ser mais feliz?

Este transtorno mental, caracterizado por uma profunda tristeza, decadência anímica, baixa auto-estima, perda de interesse geral e diminuição das funções psíquicas, deve ser tratado por profissionais.
No entanto, em nossa vida cotidiana, podemos levar a cabo algumas iniciativas para prevenir o seu aparecimento e até para combater alguns de seus efeitos. A comida, nesse sentido, tem-se revelado como um grande aliado.
Mclanche feliz
Há numerosos estudos que relacionam certos alimentos com o nosso estado de ânimo.
Por exemplo, um estudo do departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Bristol, na inglaterra sugere que existem componentes de carnes, lácteos, frutas e vegetais que estimulam a produção de serotonina e endorfinas. De acordo com pesquisadores da Universidade de Warwick e o Dartmouth College, é importante consumir pequenas porções de frutas e vegetais ao longo do dia para manter o bem-estar físico e mental.
O elevado teor de vitamina B, pão de centeio pode ajudar a combater o mau humor. A ausência de ácido fólico, que encontramos, por exemplo, a alface, relaciona-se com a fadiga e a irritabilidade.
No entanto, todos estes estudos não são conclusivos. Um bom exemplo da ambivalência de alguns efeitos que a comida pode ser observado neste estudo, publicado no Journal of psychiatric research: os efeitos podem variar em função de vários fatores, como a hora do dia, a composição e o tipo de macronutrientes dos alimentos, a quantidade de comida consumida, e a idade e a história dietética do sujeito.
O caso do peixe
Ao contrário dos exemplos acima referidos, uma análise exaustiva de 26 diferentes investigações levadas a cabo entre 2001 e 2014 aponta para o peixe, como potencial aliado para diminuir o risco de sofrer de depressão.
De acordo com este metaestudio (um estudo de estudos, e, portanto, com muito mais validade que um estudo isolado), publicado na revista Journal of Epidemiology